Quem sou?

Uma pequena biografia

Sou autora de romances e contos, jornalista, mãe e seguidora de Jesus. Escrevi um romance juvenil chamado Sons de Ferrugem & Ecos de Borboleta, entre outros.

Saber mais
Contato

Quer dar um oi, fazer perguntas, etc.? Estou à disposição!

Contato
Como vivi uma comédia romântica na vida real

Uma live no Instagram contando como conheci meu marido de uma forma um tanto atrapalhada.

Assista no IgTV

FAQ (Frequently Asked Questions)

Por que Mima Pumpkin?

Mima era um apelido de infância. O Pumpkin surgiu do fato célebre que após a meia-noite eu viro abóbora.* Isso virou apelido de internet, pegou e nunca mais saiu, mesmo agora que não sei se ainda tenho idade para isso. É engraçado porque tem pessoas “na vida real” que só me conhecem como Mima. Uma vez, alguém perguntou a um amigo meu de muitos anos de onde ele conhecia a Noemi. Meu amigo não sabia quem era Noemi…

* Virar abóbora significa que quando fico com muito sono eu tenho uma tendência a ficar mais eloquente que o normal e muito menos inibida (similar ao efeito em pessoas normais da ingestão de vodca pura).

É legal morar na Alemanha?

Sou apaixonada por esse país. Mas não quero que você se decepcione. É que a maior parte dos brasileiros por aqui passou por uma baita crise quando chegou e muitos não conseguem sair dessa crise. Não é fácil se adaptar à cultura, ao clima, a alimentação, a burocracia, a solidão. Eu mesma falava que comigo ia ser diferente, mas quando cheguei, chorei muito e quis desesperadamente voltar para o Brasil. O que me ajudou na adaptação foi encontrar a Comunidade Cristã Internacional de Karlsruhe. Com celebrações em português e a recepção calorosa de uma verdadeira família brasileira, encontrei nela o apoio e a amizade que eu precisava para superar o que fosse. Além de tudo, foi onde conheci o homem dos meus sonhos, com quem estou há 8 anos casada e com quem tenho um filhinho. Hoje eu e meu marido nos dedicamos a continuar o trabalho dessa igreja, para ajudar outras pessoas em situações parecidas com a nossa a encontrar um lar.

Como você começou a escrever?

Eu não tinha internet em casa e nem TV a cabo. Eu não podia sair para brincar na rua e já tinha lido tudo que tinha em casa (até mesmo a lista telefônica). Então comecei a criar histórias. Primeiro eu as contava na minha cabeça, depois em voz alta para minha família e amigas, depois passei a colocá-las no papel.


Na infância, meu mundo de imaginação era meu lugar de fuga, minha terapia e minha forma de começar a compreender melhor o mundo. Já hoje em dia … pensando bem, acho que hoje em dia, também.